sielbra
Inscrições abertas: curso regular sobre língua e cultura árabe

A  Sielbra deu início, em 2022, ao curso livre básico de língua árabe. A metodologia, o material e os excelentes professores fazem da Sielbra a melhor opção para o estudo personalizado do árabe e o conhecimento de seus aspectos culturais.

Metodologia: a proposta é desenvolver a conversação e a compreensão escrita e auditiva, com o auxílio de material de apoio, livro e recursos audiovisuais. Portanto, voltado à necessidade do aluno, em seu âmbito profissional e acadêmico. Cada aula será dedicada a compreender a função e a escrita de uma letra, com foco na escrita clássica da língua árabe, conhecimento que se soma à conversação do árabe popular.

Curso Básico de Árabe: Turmas abertas para 2º semestre de 2022

TURMAS ABERTAS!!!

2ª e 4ª f ou 3ª e 5ª f
Manhã – 10h às 11h30
Tarde – 17h às 18h30
Noite – 19h30 às 21h
Sábado – 9h30 às 12h30
Carga horária: 45h com atividades complementares
 
VALOR PROMOCIONAL – R$ 1.200 COM 30% OFF SAI POR R$ 840, no cartão. Ou R$ 756 à vista, no boleto, transferência digital ou PIX. 
 
AULAS PRESENCIAIS: com limite do número de alunos e distanciamento social, além de todos os cuidados ambientes.

Faça sua matrícula on-line: sielbra@sielbra.com.br. Traga um amigo e ganhe 10% de desconto. Informações pelo whatsapp (11) 95209-8596 e (11) 5587-2222.

Quer saber mais um pouco sobre a língua árabe? Assista ao vídeo do professor Saadeddine Chehade Abou Nimri: 

CERTIFICAÇÃO – desde que o aluno tenha 70% de presença às aulas e entregue atividades propostas e alcance nota mínima exigida na avaliação!

Em 2022 – Curso editar e publicar um livro

Você poderá aprender a Editar e publicar um livro, o que envolve as etapas de produção (copydesk, estruturação, coesão textual e revisão, diagramação, registro do texto, obtenção de ISBN e ficha catalográfica, obrigatoriedade de depósito legal), informações sobre mercado editorial e direitos autorais, relação com fornecedores, marketplaces, parceiros e formatos possíveis: livro físico ou digital e audiobook.

QUANDO? NOVA DATA (em função da Covid-19) – a partir do dia 12 de fevereiro (condicionado à formação de turma mínima de 5 alunos). Aos sábados, a partir das 14h. Mais 19 de fevereiro e 3 de março. HÍBRIDO: presencial e com a possibilidade de participar on-line.

CARGA HORÁRIA – 3 horas cada encontro, somando 9h, no total

INVESTIMENTO – R$ 300,00

METODOLOGIA – Exposição, exercícios práticos com os participantes e visita técnica a livraria e gráfica rápida, em comum acordo com os alunos.

PÚBLICO-ALVO – Este curso livre não possui pré-requisitos. É voltado a quem deseja publicar sua obra, de forma independente ou não, e adequado para novos autores e profissionais liberais.

JUSTIFICATIVA – O livro cumpre as funções de preservação e propagação do conhecimento, forma culturalmente e diverte, é base para o aprendizado e da difusão de novas informações. O acelerado processo de produção de conhecimento tem aberto permanentemente lacunas que necessitam da edição de novos livros, bem como as recentes ferramentas tecnológicas que permitem ao livro se apresentar em diversos formatos.

OBJETIVO GERAL – Da produção do livro, do original ao lançamento, mercado editorial e mundo literário virtual.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS – Saber como preparar um original conforme normas da ABNT; entender as relações profissionais com fornecedores, a Lei de Direitos Autorais. Conhecer a dinâmica do mercado. Permitir o aprendizado por meio de um exemplo real, evitando erros e desperdício de recursos.

Solange Sólon Borges – Escritora e Editora (O Artífice). Jornalista e publicitária, com especialização em Mídia, Informação e Cultura (Celacc/ECA USP) e Comunicação e Marketing.  Mestra em Filosofia (Estudos Culturais pela USP Leste). Ex-colunista do Literário do portal Comunique-se. Conheça mais sobre a editora e autora Solange Sólon Borges em seu canal de YouTube.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÃO: sielbra@sielbra.com.br ou sielbra.educacao@gmail.com. Whatsapp (11) 9-5209-8596

INSCRIÇÃO – Até 10/2/2022

IMPORTANTE: Ao fazer a inscrição, fornecer nome completo, celular para contato e RG.

FORMA DE PAGAMENTO – à vista ou em 2 vezes, no cartão de crédito, débito, transferência bancária ou PIX.

Carnaval 2020: a Império de Casa Verde saúda o povo libanês

Marhaba Lubnãn! As águas do Mar Mediterrâneo e do Oceano Atlântico se unem para homenagear o Líbano

Por Gislaine Vicente. Fotos :Flávia Medinna

Mais uma escola de samba de São Paulo traz o seu enredo em homenagem a um povo. Desta vez, a Império de Casa Verde busca mais um título, contando a história do Líbano, país pequeno, mas que possui número significativo de nativos morando no Brasil. Em dezembro, a sede do Esporte Clube Sírio, na zona Sul da capital paulista, recebeu integrantes da escola para uma confraternização entre libaneses e seus descendentes com sambistas do Tigre.

Apesar da localização no Oriente Médio, na extremidade oriental do Mar Mediterrâneo, o Líbano faz fronteira com a Síria ao Norte e a Leste; e pelo lado Sul do país está Israel, na junção de três continentes: Europa, Ásia e África. A costa marítima é estreita ao longo de sua margem Oeste. A capital, Beirute, é a maior cidade libanesa.
bandeira nacional apresenta o cedro do Líbano em verde sobre um fundo branco, com duas listras vermelhas de dois quartos de altura horizontal na parte superior e inferior. O nome Líbano (também “Loubnan” ou “Lebnan“) é derivado da raiz semita “LBN”, que significa “branco”, referência ao Monte Líbano normalmente coberto pela neve.
Várias personalidades prestigiaram o evento. Entre elas, o diretor da Sociedade Internacional de Educação Líbano-Brasileira (Sielbra) e ex-vereador de São Paulo  Mohamad Said Mourad, que salientou a importância do evento e do enredo: “Muitas comunidades de diversos países já tiveram o privilégio de ter sua história contada na Passarela do Samba: agora chegou a vez dos libaneses.”, disse o também educador.

O diretor da Sielbra, Mohamad Said Mourad, cumprimenta o pavilhão da Império da Casa Verde

Segundo historiadores, são mil anos de história. O nome do país é encontrado em caracteres cuneiformes babilônicos e em hieróglifos egípcios, que datam de 2 mil anos a.C.

Na Bíblia, é citado 92 vezes, nas páginas do Velho Testamento. Até o maior de todos os homens, Jesus Cristo, e vários profetas passaram por lá, o que faz desse pequeno país parte da “Terra Santa” paras as três maiores religiões monoteístas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo.

Aos Fenícios, juntaram-se os hititas, assírios, hebreus, árabes, egípcios, curdos, turcos, gregos, romanos, babilônicos e até boa dose de sangue europeu, quando os Cruzados chegaram à região, na Idade Média; assim como os latino-americanos, quando das emigrações para a América Latina, e o posterior retorno dos emigrados ao Líbano. O país dos cedros é uma verdadeira diversidades nos planos humano e geográfico e também em termos de comunidades religiosas, paisagens e climas, hábitos e costumes.

Cada comunidade religiosa tem suas tradições. Durante as festas, as manifestações são pitorescas e, na montanha, ouvem-se sinos das igrejas cristãs que se mostram às vozes dos “muezzins” (o arauto das mesquitas que chamam os muçulmanos à oração), equiparando-se aos cantos gregorianos.

Contar histórias é um dom dos libaneses assim como a gastronomia única aliada a um bom café.

A fênix é uma ave mitológica, símbolo da imortalidade:a única que pode viver mil anos. Segunda a lenda, essa ave vinha da Índia visitar o Líbano a cada cem anos, onde se queimava em âmbar e incenso para renascer de suas cinzas, após três dias, para depois regressar à terra natal. Em uma analogia com o Líbano, pode-se dizer que “a Nação nasce e renasce depois de suas várias destruições, ao longo dos séculos.  Beirute é importante referência para a história porque a cidade detém o título de “A Cidade que se recusa a desaparecer”.

Teria sido em Beirute que Jorge da Capadócia realizaria seu maior feito: matar o dragão, tornando-se Padroeiro da localidade. Os muçulmanos chamam-no de “Khodr”, e entre os cristãos há mesquitas e pessoas que se chamam “Jorge”, em homenagem ao grande guerreiro.

Escavações arqueológicas encontraram sementes de uva que datam da Idade da Pedra e indicam que o vinho já era produzido por essas terras: romanos construíram em Balbeck, o maior templo ao deus do Vinho: Baco!

Vale ressaltar que outras características e belezas do Líbano também são guardadas a sete chaves pelo carnavalesco Flávio Campello, que só serão reveladas na avenida. A Império de Casa Verde será a sexta escola a desfilar na sexta-feira de carnaval, dia 21 de fevereiro de 2020, no Sambódromo do Anhembi.

Publicado em preta joia, acesse aqui a matéria completa.